5 de junho de 2011

Folheando – Artimanhas da mente, de Gustavo Bearzi.


Confesso que quando recebi o livro não tinha a menor vontade de ler, mas sabe aquilo de não julgue o livro pela capa? Pois bem, depois de um ou dois dias abandonado na minha escrivaninha, resolvi dá uma chance ao pseudo-autoajuda. E eis uma grata surpresa.

Em conversa franca e aberta sobre psicologia, filosofia e autoconhecimento, Gustavo Bearzi desenvolve um dialogo sobre temas que você já sabe, mas nunca pensou a respeito. É muito gostoso de ler e só no final você percebe as pílulas de cultura inútil* que você adquiriu ao longo do livro. É viciante. Instigante.

O livro começa falando de conhecimento pessoal, filosofia e um pouco de psicanálise. E a medida que a leitura evolui você começa a desconstruir paradigmas, que até o momento pareciam bem sólidos. Fé, relacionamentos, inercia pessoal e mudanças tomam uma nova posição em seu pensar.

‘Não somos nossa mente; vivemos por meio dela’ essa citação de L. Ron Hubbard, para mim, resume o que o livro quer passar. Além de ‘Conhece-te a ti mesmo e conhecerás o Universo e os deuses.’, de Tales de Mileto que Bearzi usa como norte do livro e sugere que também usemos como nosso Norte.

Nesse momento começam os pontos – para mim – negativos. Em alguns momentos tenho a impressão que o autor tenta nos impor alguns conceitos que na minha cabeça não funcionam muito bem. E, como em tudo que discutimos, cabe um pouco de bom senso para avaliar esses pontos e torna-lo relevante ou não a você.

EU acredito muito em acaso e coincidências, e por uma grata surpresa o livro trás assuntos recorrentes a mim ultimamente por causa da faculdade – psicologia e filosofia - e de mudanças bem pessoais em minha vida. Vale muito a pena ler, mas comece sem preconceitos e um toque de curiosidade clínica. Ou nada feito.

* Nada que lhe acrescente conhecimento é inútil, lê-se por ‘cultura inútil’ informações que você não usa normalmente e que em uma conversa de barzinho lhe rende muitos comentários.

2 comentários:

  1. Também li o livro e gostei muito! Mas em alguns pontos o critíco por as vezes achar que o autor lhe direcione a resolver tudo interno, sendo que é necessário encarar algumas coisas e não fugir, mas muito boa definição de: ‘Não somos nossa mente; vivemos por meio dela’....continuo recomendandoo livro...abraços

    ResponderExcluir
  2. resenha perfeita. é isso que procuro nos blogs literários hoje em dia;

    ResponderExcluir

Visito todos que comentam, caso o link de retorno não esteja funcionando pode anexa-lo no fim do comentário. Sem SPAM, por favor.


Pulando as interjeições...
Solte o verbo, os pronomes, adjetivos e substantivos.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...